PM Jucurutu
19/04/2017
Por Walter Alves às 20:05h.

Mossoró: PMs presos durante operação “Os intocáveis” em junho de 2016 permanecem presos.

Que Mossoró e a região Oeste estão em plena expansão, isso já é bem notório. Logo, com o crescimento populacional, os problemas também se avolumam. Em relação a isto, a região que se fez conhecida pelas águas termais, hoje, infelizmente possui uma incidência enorme de homicídios. Esta fato se fez em consórcio ao crescimento regional. E, este aumento, a princípio, fora alienado a um grupo, dito por alguns, formado por policiais que estavam em Mossoró e região, para exterminar meliantes. O famigerado GRUPO DE EXTERMÍNIO. Estes 6 policiais que foram acusados se encontram presos desde junho do ano passado, em função da Operação Intocáveis da Polícia Civil em conjunto com a Força Nacional.

Operação Intocáveis

A operação, denominada de ‘Os Intocáveis’, foi realizada por equipes da Força Nacional em conjunto com policiais civis e militares em junho de 2016. Seis policiais militares foram presos por suspeita de participação em um grupo de extermínio apontado como responsável pela morte de pelo menos 14 pessoas.

Denúncia do MP

Com base na Operação Intocáveis, em agosto de 2016 o Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Rio Grande do Norte, denunciou a conduta de seis policiais militares e um motorista. As denúncias, relativas a sete assassinatos e uma tentativa de homicídio, são assinadas por cinco promotores públicos e foram remetidas a um colegiado de juízes formado na 1ª Vara Criminal da Zona Sul de Natal. Como os juízes receberam essas denúncias, os seis PMs e o motorista, que cumprem prisões preventivas, já são réus nos processos.

Apesar de todo o certame do processo, com a prisão dos policiais se arrastando ilegalmente a mais de 10 meses, o que se percebeu é que, coincidentemente, o índice de homicídios em Mossoró e região cresceu, assombrosamente, logo após a reclusão dos policiais. Indubitavelmente, o aumento de mais de 120% nas ocorrências de mortes na capital do Oeste, faz-se incoerente com o argumento de um possível grupo de extermínio em Mossoró e Região. Todo o estado está ciente de que há uma rixa entre facções criminosas, o PCC (Primeiro Comando da Capital) e o Sindicato do RN. Esta sim, é a razão prioritária de tantas mortes na região envolvendo pessoas com algum envolvimento no mundo do crime. Ou será que o massacre ocorrido em 14 de janeiro em Alcaçuz não tem ligação com esses fatos? Chegando a aparentar, que o Ministério Público se faz de cego, surdo e mudo à esta guerra entre facções criminosas que atuam no estado. Possibilitando, que 6 inocentes continuem sofrendo perseguição, que a muito é conhecida contra a Policia Militar.

Se não está provada a culpa dos policiais – que estão sofrendo junto com suas famílias – e em nada se conseguiu ligar os crimes aos acusados, para que ainda permanecem presos? Ademais, se eles fossem os causadores de tantas mortes, o índice deveria ter diminuído, com o fato da prisão dos acusados. Estes homens não podem pagar pela incompetência do Estado, e sua falta de estrutura, 10 meses sem nenhuma instrução. Já é possível atestar como pena de reclusão em regime fechado, somente cabível quando há a existência de provas cabais, sem que haja margem para prisão de pessoas inocentes, como neste caso. Se não é possível provar a culpa deles, para que mantê -los presos? Para que privar alguém de sua liberdade por caprichos de facções? Para que lesar 6 famílias e 6 honrados homens da Polícia, sem que haja a materialização da culpabilidade deles? O Estado perde com isso, por que poderiam, estes 6 policiais presos injustamente, ajudar a conter esta onda de crimes contra a vida.

Então DE QUEM É A CULPA?

Fonte: Blog O Câmera.


Compartilhe:

0 Comentários

Deixe o seu comentário!



Buscar

Parceiros

Anuncie Aqui